O minimalismo está se tornando uma febre em todo o mundo. A ondas de “jogue tudo fora e só guarde aquilo que você usa” esta cada vez mais forte.

Esse movimento está bastante presente no Japão, onde a influência do Zen/Budismo incita um desejo de total simplicidade. Para eles, menos é mais.

Além de todo o desapego religioso, existe também o material. E o melhor de tudo… é muito mais barato ser minimalista!

E porque o Japão é constantemente devastado por terremotos, não faz muito sentido ter coisas valiosas apenas pegando pó, espalhadas pela casa. A metade dos ferimentos causados por terremotos são de objetos caindo.

Agora dê uma olhada em alguns exemplos de casas minimalistas no Japão:

1. No Japão, alguns quartos são tão vazios que nem existem camas!

2. Os banheiros também deixam tudo muito simples.

3. Tudo tem o seu lugar.

4. Esse não poderia ser mais austero. Não tem nenhum cosmético à vista.

5. Com certeza existe uma beleza em tudo isso.

6. Você consegue repensar todas as suas posses?

7. E você nunca vai ficar em dúvida sobre qual pote você deve usar ou qual louça.

8. A ausência de móveis é refletida em mais espaço para aproveitar.

9. … mas isso não significa que eles não podem ser lindos!

10. Justamente por não ter tantos objetos, aqueles que você tem, são fáceis de se achar!

11. Pendurar coisas em pequenos ganchos é uma maneira bastante popular de guardar os objetos entre os minimalistas.

12. Parte da filosofia minimalista é deixar juntos os objetos que se pertencem ou se assemelham.

13. Assim se torna fácil organizar a sua vida…

14. … e sua mente!

15. E algumas imagens são perfeitas para se postar nas redes sociais!

16. Cada objeto tem seu próprio lugar e propósito.

17. Apenas um garfo, uma faca e uma colher são necessários.

18. Todas as salas de estar são completamente organizadas. Os únicos móveis são uma mesa e uma cadeira…

19. … algumas vezes nem mesmo a cadeira.

20. A minimalista Saeko Kushibiki sempre guarda o seu colchão dentro do armário.

Práticos, não é verdade?

Fonte: [Reuters]

Comentários

CONTINUAR LENDO