Na constelação de Cygnus, 1.100 anos-luz da Terra, há um sistema planetário curioso com cinco pequenos planetas orbitando muito perto de sua estrela Kepler-80. O sistema foi descoberto em 2012, mas só agora os astrônomos são capazes de confirmar a dinâmica exata do sistema.

O estudante de graduação Mariah MacDonald, do Instituto de Tecnologia da Flórida, juntamente com seu professor Darin Ragozzine e colaboradores de outras universidades, descobriram que os quatro planetas mais distantes têm massas entre quatro e seis vezes a da Terra.

Esse sistema de estrelas é conhecido como um STIP (sistema com planetas interiores bem-embalados), e os pesquisadores agora estão interessados em Stips, porque eles podem nos ajudar a compreender como os planetas, mesmo em nosso próprio Sistema Solar, chegaram a sua órbita atual. Os resultados foram aceitos para publicação no Astrophysical Journal, e estão disponíveis on-line.

Os cinco planetas orbitam Kepler-80 a cada um, três, quatro, sete e nove dias. A ressonância ajuda o sistema para que permaneça estável gravitacionalmente, e tem-se observado o mesmo efeito também nas luas de Júpiter e de outros exoplanetas.

“Os quatro planetas voltam para quase exatamente a mesma configuração a cada 27 dias”, disse Ragozzine em um comunicado.

Por meio de simulações, a equipe foi capaz de mostrar que a ressonância, na verdade, surge naturalmente a partir da migração planetária. Todo o sistema fica dentro de 12 milhões de quilômetros da estrela, ou seja, a menos de 8 por cento da distância entre a Terra e o Sol.

A NASA, observando Kepler, descobriu centenas de outros Stips que têm entre três e sete membros. Esta compreensão nova de Kepler-80 vem a liderar mais investigações de Stips e nos dizer algo novo sobre como os planetas se formam.

Fonte: IFLSCIENCE

Comentários

CONTINUAR LENDO