Se você se perguntar qual é a maior ameaça à existência humana, você provavelmente pensaria em uma guerra nuclear, no aquecimento global ou em uma doença pandêmica em grande escala, não é mesmo?

Mas mesmo que não tenhamos esses problemas, podemos nos perguntar: estaríamos completamente seguros?

A resposta é: Não. Não estamos completamente seguros e existem eventos que podem acontecer e infelizmente levar a humanidade ao seu fim. Veja quais:

1. Ventos solares de alta energia

Nosso sol não é tão pacífico como se poderia inicialmente pensar. Ele cria campos magnéticos fortes que geram impressionantes manchas solares e muitas vezes maiores do que a Terra.

Ele também ejeta um fluxo de partículas e radiação – os ventos solares. Se mantidos sob controle pelo campo magnético da Terra, este vento solar pode causar belas luzes no céu.

Mas quando se torna mais forte, também pode influenciar a comunicação de rádio ou causar falhas de energia. A tempestade solar magnética mais poderosa documentada atingiu a Terra em 1859.

2. Impacto de asteroides

Estamos agora bem conscientes dos perigos que os asteroides podem representar para a humanidade – afinal, pensa-se que eles contribuíram para a extinção dos dinossauros.

Pesquisas recentes nos fizeram conscientes do grande número de rochas espaciais em nosso sistema solar que poderiam representar um grande perigo.

3. Sol de expansão

Apesar das probabilidades de outros eventos cósmicos, sabemos com certeza que nosso sol vai terminar sua vida em 7,72 bilhões de anos.

Neste ponto, ele vai jogar fora a sua atmosfera exterior para formar uma nebulosa planetária, terminando como um remanescente estelar conhecido como um “anão branco”.

4. Explosão local de raios gama

Explosões de energia extremamente poderosas, chamadas rajadas de raios gama, podem ser causadas por sistemas binários de estrelas (duas estrelas orbitando um centro comum) e supernovas (estrelas explodindo).

Essas rajadas de energia são extremamente poderosas porque concentram sua energia em um feixe estreito que não duram mais do que segundos ou minutos. A radiação resultante disso pode danificar e destruir a camada de ozônio, deixando a vida vulnerável à radiação UV do sol.

5. Supernovas nas proximidades

As explosões de supernovas, que ocorrem quando uma estrela atingiu o fim de sua vida, acontecem, em média, uma ou duas vezes a cada 100 anos em nossa Via Láctea.

Elas são mais propensas a ocorrer mais perto do centro denso da Via Láctea e estamos a cerca de dois terços do caminho para que elas aconteçam.

6. Estrelas em movimento

Enquanto isso, uma estrela errante em seu caminho através da Via Láctea poderia chegar tão perto de nosso sol que interagiria com a “nuvem de Oort” rochosa na borda do sistema solar, que é a fonte de nossos cometas. Isso pode levar a uma maior chance de um enorme cometa se precipitar na Terra.

Este é um sinal de que devemos nos preocupar mais com meios de proteger a Terra de eventos externos do que em fazermos guerras contra o nosso próprio planeta.

[Daily Mail]

Comentários

CONTINUAR LENDO