Uma raposa, ao caminhar sobre uma fina camada de gelo que cobria o Rio Danúbio, no Sudoeste da Alemanha, sofreu um grave acidente: caiu dentro da água gelada. O caçador alemão Franz Stehle acabou registrando essa imagem, que tem como objetivo alertar os perigos dos rios durante o inverno.

Apesar de trágico, a imagem é impressionante e ilustra como é atualmente o frio intenso no Hemisfério Norte. De acordo com informações oficiais de jornais, essas condições climáticas já mataram quase 1.000 pessoas.

As massas polares intensas em choque com os vórtices ciclônicos (regiões de baixa pressão atmosférica) são capazes de produzir uma corrente de ventos de até 300 quilômetros por hora, sobre 12.000 metros de altitude, fazendo um estrago enorme. Mesmo que estejam pelo Círculo Polar Ártico essas invasões gélidas podem migrar para o sul, rumo ao Equador, causando violentas tempestades durante esse processo.

Temperaturas baixíssimas foram registradas ao redor do mundo: -5 °C na Argélia, atingindo até o Deserto do Saara pela segunda vez (a primeira que conhecemos foi em 1979), Alexandria, no Egito, cuja temperatura de 0° C  foi a menor registrada nos últimos 100 anos, fora no estante do mundo, em países como China, Afeganistão, Mongólia, Nepal, Quirguistão, Tajiquistão, Turquemenistão e Uzbequistão que também enfrentaram seus mais rigorosos invernos dos últimos 60 anos.

Sendo o inverno uma estação repleta de perigos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e ONU constantemente monitora o número de mortos em razão das baixas temperaturas – que, todavia, já ultrapassou os 800. As autoridades locais confirmaram pelo menos 25 mortes na Alemanha, 90 na Bulgária, cerca de 50 na República Tcheca, 45 na Romênia, cerca de 300 na Turquia e 150 na Ucrânia, fora os dados que não chegam a conhecimento público, como o caso de muitos moradores de rua ou ocorrências  em zonas rurais.

Se você está pensando em viajar, fica o alerta da raposa: evite “andar pelas águas” mesmo que congeladas e proteja-se bem do que há por vir ainda este ano.

[Daily Mail][Jornal Ciência]

Comentários

CONTINUAR LENDO